Por: Aline Klug

Ele é responsável pela criação de atletas, ajuda no desenvolvimento de jovens que buscam o sonho de ser jogador de futebol e tem colhido ótimos frutos à frente da equipe sub-17 do Progresso. A entrevista especial da última quarta-feira (10) trouxe as palavras do treinador Ademir Rodrigues, o Lambari.

O Progresso é o celeiro de jovens promessas do futebol pelotense. Responsável pela formação de atletas conhecidos internacionalmente como Taison, atual jogador do Shakhtar Donetsk e do lateral-direito William, atleta do Wolfsburg da Alemanha. E também de jovens que estão tendo oportunidades em equipes profissionais de grandes clubes, como o lateral-direito Heitor do Internacional e o zagueiro Jacone no Brasil.

O ano do clube havia reservado belos projetos que precisaram ser interrompidos devido a pandemia. A equipe de Lambari teve um início de ano para ninguém colocar defeito, conquistou o tricampeonato sub-17 da Copa de Futebol Cidade Verde, nos pênaltis, contra a equipe do Bonsucesso e começou 2020 com o pé direito. Em seguida a equipe iniciaria outra grande competição em que encontraria times do sul do país. “Se não tivesse a pandemia, estaríamos jogando o Campeonato Sul-Brasileiro com equipes do Paraná e Santa Catarina. Times que fazem um grande trabalho e que seriam uma boa oportunidade aos meninos, eles ganhariam muita experiência” lamenta o treinador.

Outra competição que a equipe jogaria é o Gauchão sub-17, que segue sem definição. O técnico acredita que o campeonato possa não acontecer e lamenta devido a boa fase que sua equipe encontrava-se. “Eu acho muito difícil, principalmente nas categorias inferiores. É complicado. Nós planejamos um ano muito bom para todas as categorias depois de vencer a Copa Cidade Verde, o time era muito bom” afirma Lambari, que ainda lamenta o tempo perdido neste momento de formação dos atletas.L

O treinador participou do desenvolvimento profissional de meninos que tiveram seus sonhos realizados, questionado sobre a sensação de ver os atletas em campo por grandes times, Lambari fala da capacidade dos jovens e sobre a falta de oportunidade quando estes chegam em equipes profissionais. “Me deixa realizado ver os garotos como Heitor, Fernandinho e o Jacone em grandes times. Torço que logo tenham mais oportunidades. Um atleta que trabalha quatro, cinco anos na base, ele chega no profissional e precisa de uma chance. Precisam de confiança e tenho certeza que eles vão se sair bem” finaliza ele.

%d blogueiros gostam disto: