Cento e sessenta fôrmas de bolos de baunilha, com cobertura de morango e açúcar de confeiteiro. Esse foi o bolo que homenageou a cidade de Pelotas, servido à população no Paço Municipal, na tarde deste sábado (7), quando o município comemorou 206 anos de emancipação. O feito foi uma iniciativa das Rádios Universidade e MaisNova – ligadas à UCPel –, com o apoio da Casa do Amor Exigente (CaEx) e do Instituto de Menores Dom Antônio Zattera. O prefeito em exercício, Idemar Barz, acompanhou a festividade.


Em sua fala, Barz destacou a importância de Pelotas para o país, que reconheceu, por meio do Iphan, o Conjunto Histórico e o modo de saber fazer os doces finos e coloniais como patrimônio nacional. Afirmou ainda, que por trás dos 206 anos, existe uma história repleta de fatos relevantes, que tornam a cidade uma das mais importantes do Estado.

 

“Com tantos anos de cultura e história, Pelotas é reconhecida em todo o país por isso e muito mais. E como a voz da comunidade é mais forte que a minha, convido para que cantemos parabéns para nossa cidade”, disse o prefeito em exercício ao iniciar a música em sua gaita e ser acompanhado pela população.
O reitor da UCPel, José Carlos Bachettini Júnior, também compareceu a festa e parabenizou a Prefeitura pelo aniversário do município, assim como a organização da cerimônia pela iniciativa.

“Dizem que aniversário sem bolo não tem graça, então esse é o presente que gostaríamos de deixar para os 206 anos de Pelotas”, disse ao agradecer as rádios, ligadas à instituição, pela proposta.

O bolo de 206 metros
A ideia de oferecer um presente à cidade no dia do seu aniversário surgiu após os festejos de outra cidade gaúcha – Caxias do Sul -, que também recebeu um bolo que representava a idade do local. A assessora de comunicação da Rádio Universidade, Bruna Heinemann, conta que recebeu a proposta do colega Mateus Ribeiro, coordenador da MaisNova, que propôs a busca por parceiros para fazer o projeto virar realidade.

“Foi um grande desafio e ficamos muito felizes em proporcionar isso para a cidade, e a união tornou-se a palavra-chave para que fosse possível realizar”, destacou o coordenador de programação Mateus Ribeiro, sobre os esforços empregados na produção do bolo.
O apoio veio através do professor Ricardo Merdiondo, da Escola de Gastronomia do Instituto de Menores, que também desafiou os atendidos pelo CaEx para participar da iniciativa. Foram pelos menos 27 pessoas envolvidas, que viraram cinco noites confeccionando 50 fornadas com 70 centímetros de comprimento. Todo esse trabalho resultou no bolo de 206 metros, para servir até cinco mil pessoas.

Assessoria SECOM

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)